2013/12/30

3696 Eu não eu sei até que número de vezes

Eu não eu sei até que número
De vezes
Eu telefonarei a seu número
Sem sucesso
De forma que minha teimosa
Veemência
Deixe esse desejo
Que eu tenho de você.

Eu poderia
Se me pedissem
Justificar
De mil modos,
Discutir
De mil maneiras,
O apego ao seu ritmo
De ondas enfurecidas
Com esses que você se solta
Em meu quarto.

Nós somos dança multiformes
Montanhas
E ondas
E precipícios
E ventos
E nuvens
E apitos.

Eu anseio que voltássemos a ser
Perolado curvas
De caracolas,
Hera serpentina que escala
Até a estratosfera,
Por isso eu marco seu número
E com a urgente
Expectativa
Anula-se minha consciência
Se desmoronando
No desespero.
Publicar un comentario