1993/02/28

0882 Quando olho meu rosto em suas pupilas

Entre os prazeres mais esquisitos
Da minha vida terrenal
Está o observar
Meu rosto em suas pupilas
Porque quando olho em suas pupilas
A ternura mais pura
Que jamais tenho visto no meu existir
Mesmo desligam-se no meu interior
As forças mais estrepitosas
Que tenho desterradas
Nas longas terras do meu coração.
Quando olho meu rosto em suas pupilas
Sinto-me o homem mais indefenso
De toda a vasta existência
E é porque o prazer de ver
O amor que assoma-se
Como uma esplendorosa imperatriz
Nas limpas janelas de sua alma
Arroba-me os frágeis sensos
E faz subir meu espirito
Mais lá do mais lá do sétimo céu.
Quando contemplo meu rosto em suas pupilas
Minha alma muda-se toa frágil
Como uma pétala duma virginal flor
E chego a desvanecer meus sentimentos
Meus pensamentos, minhas pretensões
E minhas mais fortes insinuações
Diante de usa face
Quicas seja pela bonita cor café
Que têm sus femininos olhos,
Não sei.
O certo é que de jeito sei
Que quando olho meu rosto em suas pupilas
Sinto-me voar pelo ar
Como um gás etéreo
Sem forma preestabelecida
E sem peso específico
E torna-se meu ser o ser
Mais vulnerável à ternura
Que fluem das limpas lâmpadas
Que são seus olhos de cor café.

0881 Cuando miro mi rostro en tus pupilas

Entre los placeres más exquisitos
De mi vida terrenal
Está el contemplar
Mi rostro en tus pupilas.
Porque cuando miro mi rostro en tus pupilas,
La ternura más pura
Que jamás he visto en mi existir,
En seguida se desatan en mi interior
Las fuerzas más estrepitosas
Que tengo desterradas
En las lejanas tierras de mi corazón.
Cuando miro mi rostro en tus pupilas
Me siento el hombre más indefenso
De toda la vasta existencia
Y es porque el placer de ver
El amor que se asoma
Como una esplendorosa emperatriz
En las limpias ventanas de tu alma,
Me arroba los frágiles sentidos
Y hace elevar mi espíritu
Más allá del más allá del séptimo cielo.
Cuando contemplo mi rostro en tus pupilas
Mi alma se vuelve tan frágil
Como un pétalo de una virginal flor
Y llego a desvanecer mis sentimientos
Y mis más sólidas insinuaciones
Delante de tu faz,
Quizás sea por el hermoso color café
Que tienen tus femeninos ojos
No lo sé,
Lo cierto es que sí sé
Que cuando miro mi rostro en tus pupilas
Me siento flotar por los aires
Como un gas etéreo
Sin forma preestablecida
Y sin peso específico
Y se torna mi ser el ser
Más vulnerable a la ternura
Que emana de esas limpias lámparas
Que son tus ojos color café.

0880 Così sono io senza te

Come una fonte senz’acqua
Così sono io senza te
Come un’aquila senza volare
Così sono io senza te
Perche il mio cuore
Vuol avere il tuo sentimento
Più vicino che l’acqua alla fonte
E più vicino che il volare all’acquila
Per così fare del mio sorridere
Il maggiore monumento
Alla nostra unione
Ma se tu non ritorna mai
Io sarò più morto
Che un’acquila senza volare
E che una fonte senz’acqua.